Infidelidade conjugal e a relação com o ambiente profissional

Primeiramente, entender os principais motivadores da infidelidade, traição torna-se essencial para manter uma relação amorosa saudável.

O termo infidelidade pode ser caracterizado como um “segredo sexual, romântico ou envolvimento emocional que viola o compromisso de um relacionamento exclusivo”, de acordo com Shirley Glass, uma das maiores especialistas mundiais em infidelidade. Glass afirma que em um relacionamento, o casal cria um “contrato” interno, muitas vezes inconsciente. Qualquer comportamento que “quebre” esse contrato pode ser denominado como um ato de infidelidade.

Para Glass, o terreno fértil para relações fora do casamento é muito mais convencional: o local de trabalho. “À medida que os funcionários trabalham mais horas juntos, as amizades cada vez mais se estreitam. E à medida que as mulheres avançam em profissões antes dominadas pelos homens, há maiores tentações para ambos os sexos”, esclarece.

Segundo estudo realizado pelo site Ohhtel.com, com mais de cinco mil usuários do site, revelou que 72,7% dos homens e 63,3% das mulheres já tiveram um caso extraconjugal com algum colega de trabalho.

Pode haver uma confusão entre vida profissional e afetiva, tornando a traição mais fácil de ser concretizada. “Um indivíduo estressado e desgastado no relacionamento vai para o trabalho onde também se sente estressado. Com o desgaste mental, procura uma válvula de escape, algo que traga emoção ao seu dia a dia. Tendo em vista que o ambiente profissional é o local onde as pessoas mais passam o tempo, é possível criar mais vínculos de intimidade, por vezes ligados a autoridade e reconhecimento, e ocasionar a infidelidade”, explicam as especialistas do Instituto do Casal, Denise Miranda de Figueiredo e Marina Simas de Lima.

Para tanto, as razões que levam as pessoas a se envolverem com alguém fora do relacionamento são as mais variadas e complexas. “O estresse na relação conjugal é apenas um dos fatores. A infidelidade é multifatorial, ou seja, existem diversos motivos que podem levar à traição”, diz Marina.

A pesquisa

De acordo com pesquisa realizada em 2018 por Patrícia Scheeren, doutora em psicologia pela UFRGS, as razões que levam à traição são as mais variadas, mas percebe-se um ponto em comum entre os estudos.

A pesquisa aponta para fatores relacionados à:

  • Insatisfação com o relacionamento conjugal e/ou com o parceiro(a) ou busca de amor romântico;
  • Aspectos relacionados à sexualidade, como busca de novas experiências sexuais ou insatisfação sexual com o parceiro(a);
  • Busca de liberdade e quebra da rotina;
  • Infidelidade como uma resposta à traição sofrida; e oportunidade ou um contexto propício à traição.

“A insatisfação foi o motivo mais apontado pelos participantes como justificativa para infidelidade, seguido por negligência, sexo e raiva. Os resultados também mostraram que mulheres eram mais motivadas por questões emocionais (insatisfação, negligência e raiva) enquanto os homens pela motivação sexual”, de acordo com Scheeren.

Uma amostra brasileira encontrou diferenças no posicionamento de homens e de mulheres quanto aos motivos de traição. Assim, os homens justificaram sua “natureza/essência” propensa à infidelidade, além da traição por atração física, vontade, tesão, oportunidade, “galinhagem”. Já as mulheres, responsabilizaram seus parceiros pelo fato de elas cometerem infidelidade, como insatisfação com o parceiro, falta de amor, para levantar a autoestima, vingança, além de não se sentirem desejadas pelos parceiros.

A diferença da infidelidade entre homens e mulheres

As diferenças entre a forma como homens e mulheres respondem a diferentes tipos de infidelidade. “As mulheres tendem a apresentar mais ciúmes relacionados à infidelidade emocional enquanto os homens à infidelidade sexual. Isso porque as mulheres consideram uma intensa relação emocional com pessoa fora da relação, mesmo que não tenha um componente físico. Para os homens, é prioridade ter contato físico, tipicamente sexual, para constituir infidelidade, dispensando o envolvimento emocional”, afirma Scheeren.

Pesquisas recentes têm revelado que homens demonstram maior necessidade de novas sensações e, consequentemente, são mais propensos a se engajarem em comportamento extraconjugal. A Universidade de Göttingen, na Alemanha, listou alguns dos principais motivos que levam os homens a trair, dentre os primeiros estão:

1. Questão evolutiva:

A história da evolução da monogamia é considerada um conceito relativamente novo, e por isso alguns homens não conseguem entender esse processo de forma clara.

2. Relação com o poder:

Ainda que a infidelidade aconteça em todas as classes sociais e níveis salariais, os homens que têm um grande poder profissional tendem a trair suas parceiras mais facilmente. As razões: a sensação viciante do poder e a constante confirmação de seu próprio sucesso leva-os a buscar a mesma situação fora dela, com outras mulheres.

3. Rotina:

É comum que casais gostem de passar a maior parte do tempo juntos desfrutando de momentos exclusivamente seus, como ficar juntos debaixo de um cobertor no sofá e ficar zapeando entre os programas de televisão.

Estar com outras mulheres pode dar aos homens a sensação de admiração, pois almejam com urgência a autoafirmação.

4. Situações de frustração individual:

Um efeito secundário da frustração diária resulta também na diminuição da paixão em muitas relações sólidas. O erotismo diminui ao invés de aumentar e a taxa de infidelidade aumenta. Isso acontece muitas vezes pela falta de comunicação entre o casal e a falta de diálogo sobre situações do dia a dia.

5. Viver em cidades grandes:

A taxa de homens infiéis que vivem em cidades “que não dormem” é maior dos que vivem em cidades pequenas. A dificuldade de que sejam descobertos pode gerar uma oportunidade para a traição.

Portanto, a principal diferença de comportamento entre homens e mulheres quando o assunto é traição no trabalho é que a maioria deles (40,2%) diz que o affair durou até três meses, enquanto que quase a mesma porcentagem de mulheres revela que o caso pode passar de um ano. Em geral, os homens não querem terminar o casamento, querem apenas uma aventura, por isso, quanto mais rápida melhor. A mulher, por outro lado, busca afeto e atenção em um caso extraconjugal e demora mais a entender quando o relacionamento não passa de um caso.

Como lidar com a infidelidade na relação?

Para Denise, é importante que os casais se sintam estimulados a comunicarem seus desejos e expectativas na sua relação. “Ainda assim, quando a infidelidade acontece é preciso sentar, conversar e tentar resgatar a relação a partir dessa ocasião. Casos de infidelidade podem se tornar uma oportunidade de olhar para a relação e reestabelecer combinados que contribuam para o amadurecimento e entendimento dos valores do relacionamento”, conclui.

Assim, podemos também considerar a importância do processo terapêutico para casais em situação de infidelidade, a fim de entender os motivadores da traição, amenizar o sofrimento interno das pessoas envolvidas e trazer crescimento emocional para a relação.

Confira em nosso blog outros assuntos que podem te ajudar!
Tem dúvidas de como lidar com esse processo? Nós, Denise Figueiredo e Marina Simas, sócias-diretoras do Instituto do Casal, podemos te ajudar!
Entre em contato pelo e-mail contato@institutodocasal.com.br  ou pelo telefone: (11) 99404-2702

Acompanhe nossas Redes Sociais:

Instagram: https://www.instagram.com/institutodocasal

Facebook: https://www.facebook.com/institutodocasal

Uma resposta

  1. Se muitos casais “hierarquizam” no casamento, no trabalho geralmente, prevalece a atração intelectual ou Oratória bem conduzida! Numa reunião com homens e mulheres, muitos atraentes, o colega que fez a explanação, depois da reunião logo me convidou para sair! Como cisgeneros a sexualidade fica mais reservada, mas transamos e sem qualquer pressa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×