8 estratégias para solucionar os conflitos da vida a dois

Em suma, os conflitos do relacionamento na vida a dois não podem ser evitados, mas a forma de resolvê-los pode representar a diferença entre o “até que a morte nos separe” ou o “que seja infinito enquanto dure”. A maioria dos casais apresenta dificuldades para resolver uma “DR” (discussão de relacionamento).

Não apenas há os que se calam, os que explodem, os que chegam à violência verbal ou física e como aqueles que preferem adiar as discussões. Qual dessas será a melhor estratégia para acabar com um conflito conjugal?

Na pesquisa realizada pelo Instituto do Casal, entre os meses de setembro e outubro deste ano, 34% dos entrevistados disseram que preferem adiar a resolução dos conflitos no relacionamento e 28% disseram que preferem se calar/aceitando a decisão do outro.

Para Marina Simas, isso pode ser ruim para o relacionamento. “Protelar uma discussão é adiar o problema, jogá-lo para debaixo do tapete. Para quem se cala, os efeitos são ainda piores, porque a mágoa pode aumentar, ficar guardada e provocar doenças, como depressão, ansiedade, gastrite e até úlceras”.

“Por outro lado, há quem goste de discutir e brigar para resolver os conflitos, impondo seu ponto de vista ou decisão, o que também não é saudável”, explica Denise Figueiredo.

A solução dos conflitos no relacionamento

  1. Sem ganhadores ou perdedores

    em conflitos conjugais não deve haver disputa para ganhar ou perder, o objetivo deve ser entender melhor o ponto de vista do outro e achar uma solução que seja boa para os dois ou para o relacionamento naquele momento.

  2. Controlar as emoções

    No auge da raiva ou da mágoa podemos dizer coisas que não deveríamos falar. É fundamental trabalhar o autocontrole e ponderar o que será dito.

  3. Atacar o problema e não as pessoas

    quando ofendemos as pessoas, agravamos os conflitos. Por outro lado, quando tratamos do problema sem “atacar” as pessoas, mantemos as portas da comunicação abertas e podemos encontrar soluções juntos.

  4. Não descontar no outro as próprias frustrações

    é muito comum descontar no parceiro (a), nosso alvo mais próximo, os nossos problemas no trabalho, com os filhos, com os amigos ou até com o dinheiro. Trabalhe seu autoconhecimento.

  5. Nem tudo pode ser resolvido

    alguns conflitos simplesmente não podem ser solucionados. Reconhecer isso é o primeiro passo para parar de brigar por algo que não vale à pena.

  6. Ninguém briga sozinho

    reconhecer os motivos que causaram o conflito é importante, assim como assumir a responsabilidade sobre o que ocorreu.

  7. Seja a mudança que você quer ver no outro

    queremos que o outro mude, mas primeiro precisamos reconhecer nossas falhas e mudar a nós mesmos.

  8. Não guardar mágoas

    Perdoar quando for preciso é importante, falar sobre como nos sentimos também. Devemos fazer isso na hora certa, evitando fazer desses ressentimentos algo que um dia virá à tona e não poderá mais ser resolvido.Portanto, lembre-se: Os conflitos em um relacionamento afetivo são inevitáveis, mas se bem administrados podem trazer mudanças positivas para a relação.

Confira em nosso blog outros assuntos que podem te ajudar!
Tem dúvidas de como lidar com esse processo? Nós, Denise Figueiredo e Marina Simas, sócias-diretoras do Instituto do Casal, podemos te ajudar!
Entre em contato pelo e-mail contato@institutodocasal.com.br  ou pelo telefone: (11) 99404-2702

Acompanhe nossas Redes Sociais:

Instagram: https://www.instagram.com/institutodocasal

Facebook: https://www.facebook.com/institutodocasal

3 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×